Google Webmaster Tools: Conheça as ferramentas do Google para Webmasters

Nov 25, 2015
admin-empresahostcafe

Todo site é como um carro velho – e isso também vale para o seu. A revisão não é feita há algum tempo, algumas das peças de HTML não são originais do template, existem várias partes nas quais ninguém mexeu desde que a coisa saiu de fábrica, e outras tantas, ao contrário, foram mexidas até demais. O resultado é uma máquina pela qual a gente tem uma ligação afetiva, mas cujo desempenho é sempre abaixo do potencial.O Google Webmaster Tools (GWT) é como a caixa de ferramentas do seu carro, ou melhor, do seu site. Seu uso diário e constante não pode consertar as páginas, mas dá uma excelente direção do que deve ser feito. Ajustes na lataria (tags), no carburador (seu robots.txt), e até dicas de em quais estradas (search queries no Google) seu site têm melhor desempenho para que você possa ter orientações a respeito da produção de conteúdo e da escolha de palavras-chave no Google AdWords. Aprenda a usar algumas das principais ferramentas do Google Webmaster Tools para turbinar seu site!

Entrando no Google Webmaster Tools

Assim como Gmail e o Drive, o GWT é um serviço gratuito; mas ao contrário deles tem uma pequena barreira de entrada: a autenticação. Você precisa provar para o Google que é dono do seu site. Nós recomendamos o método mais fácil e rápido: HTML Tag. Depois de adicionar seu site no GWT, clique na aba “alternate methods” e então em “HTML tag”. Copie o código (ctrl+C). Agora você precisa jogá-lo na home do seu site.

Se você é como a maioria e usa o WordPress, vá ao menu, clique em “Aparência” e depois em “Editor” e copie o código na parte onde se lê <head> (dê ctrl+V). Pronto! Ao trabalho.

Ferramentas para prestar atenção

O Webmaster Tools existe desde 2005 (quando ainda chamava Google Sitemaps) e oferece muitas ferramentas diferentes. Ele também é atualizado com certa frequência e algumas ferramentas mudam de nome. Vamos destacar aqui as principais delas dentre as que podem ser usadas por todo tipo de usuário.

1. Data Highlighter

Esta ferramenta é uma forma de ajudar manualmente o Google a entender como é o seu site – onde em cada página está o título, a data, o nome do autor, a imagem, etc. Os robôs de busca do Google costumam acertar o trabalho, mas não custa dar uma forcinha. Com esta ferramenta, mesmo sem fazer uma única alteração no HTML do seu site, o Google pode rapidamente identificar dados (como datas de eventos, avaliações, endereços de lugares) para quem faz uma busca achá-los mais rapidamente. Você não precisa fazer o procedimento em todas as páginas: basta fazer em algumas páginas do mesmo layout e o Google “aprende” a repetir o processo.

2. HTML Improvements

Ferramenta simples e muito útil: informa erros no HTML do seu site para que você os corrija rapidamente. Exemplos: title tags muito longas ou muito curtas, title tags ausentes ou pouco informativas, páginas com títulos iguais, etc.

3. Search Queries

A melhor e mais popular ferramenta do Webmaster Tools responde à pergunta: “como as pessoas chegam ao meu site?”. Aqui você vai descobrir quais palavras-chave as pessoas estão digitando no Google, em quais páginas do seu site elas clicam, e como anda a audiência do seu site.

O uso desta ferramenta especificamente no Webmaster Tools ganhou importância por causa de uma mudança no Google Analytics. Desde 2011, cresce a cada dia o número de palavras-chave substituídas pelo texto “(not provided)” nos resultados do Analytics. Você pode acompanhar essa polêmica aqui, mas o importante é saber que o (not provided) não chegou ao Webmaster Tools.

Na aba “Top pages” você pode conferir as páginas mais populares do seu site! Os resultados podem ser surpreendentes. Aprenda a ler também as métricas abaixo do gráfico:

  • Impressions (linha azul): É a quantidade de vezes que o seu “snippet” de busca foi “impresso” ou “servido”, ou seja, que apareceu no Google para alguém.
  • Clicks (linha vermelha): É a quantidade de vezes que alguém, ao ver o seu site entre os resultados de buscas, clicou. Quanto mais próxima a linha vermelha estiver da azul, melhor: significa que seus resultados de busca estão otimizados e prometem um conteúdo relevante para quem digita aquelas palavras-chave.
  • CTR: É a click-through rate, ou seja, a proporção entre impressões e cliques. Uma taxa 10%, por exemplo, indica que 10% das pessoas que viram seu site nos resultados clicaram no link.
  • Avg. position: A posição média daquela página nos resultados: quanto mais baixa, melhor. A primeira página, claro, é a julgada mais relevante pelo Google é a que recebe mais cliques.

4. Links to Your Site

Esta é a melhor forma de medir a popularidade do seu site, bem como de medir um dos principais fatores no seu SEO: muitos links de sites variados e blogs de especialistas. Se a lista aqui é magra, pode ser hora de repensar o conteúdo e/ou de fazer guest blogging.

5. Internal Links

A outra metade da laranja. O Google “curte” sites bem amarrados, com abundância de links internos e sem páginas “órfãs”. Você pode detectá-las rapidamente aqui e também ver quais páginas do seu site poderiam receber um pouco mais de links internos.

6. Content Keywords

A lista de palavras-chave usadas com mais frequência no seu site (excluídas palavras de uso comum). Preste muita atenção nesta lista – são as que o Google mais associa ao seu site. São essas as palavras que você gostaria de ver?

7. PageSpeed Insights

Ferramenta ainda considerada experimental, disponível na aba “Other Resources”, é uma das que você deveria usar primeiro. Como você sabe, ter um site que carrega rapidamente não só ajuda no seu SEO como fornece uma experiência mais satisfatória para seu cliente – ou em pleno 2015 você ainda tem paciência para site que demora a carregar? Use o PageSpeed para conseguir automaticamente dicas personalizadas de como fazer um site mais rápido otimizando as imagens, por exemplo.

Essas são as 7 ferramentas mais básicas do Google Webmaster Tools, utilizáveis por qualquer usuário, mesmo os iniciantes.

E você, também acha que seu site anda como um carro velho? Como você cuida dele?

Entre na conversa!